Bolsonaro descobre a política

Antes tarde do que mais tarde. Depois de fazer campanha deblaterando contra a “velha política”, de atacar partidos e negociações como necessariamente corruptos, de afirmar que governaria apenas com “bancadas temáticas”, parece que o presidente Jair Bolsonaro voltou iluminado da Terra Santa e descobriu enfim a política.

Bolsonaro se reuniu ontem com líderes de seis partidos que reúnem o voto de 196 deputados e 43 senadores – DEM, MDB, PP, PRB, PSD e PSDB –, na tentativa de angariar apoio para a reforma da Previdência. Pelas informações disponíveis, não foi feita oferta em troca do apoio. Foi só uma conversa amigável. Bolsonaro se desculpou por “caneladas” e procurou articular o início de uma base aliada no Congresso.

Para obter os 308 votos necessários à aprovação da reforma na Câmara e os 49 no Senado, Bolsonaro precisaria ainda incluir nessa base, além do próprio partido, o PSL, legendas como PR, Solidariedade, Podemos ou Pros. Poderia, com isso, contar com entre 311 e 322 deputados e entre 49 e 60 senadores. Seria viável?

A primeira dificuldade da iniciativa é cronológica. Do ponto de vista político, qualquer negociação para a formação de uma base aliada deveria ser realizada antes do envio de propostas ao Congresso, quando o governo ainda está em posição de força.

Começar a negociar com propostas já em tramitação transfere o poder de barganha aos parlamentares. Sem votos nem condição de aprovar projetos essenciais ao futuro de seu governo, em posição de fraqueza, Bolsonaro terá de ceder mais. Sairá mais caro.

A segunda dificuldade é o tipo de concessão que ele estará disposto a fazer. Será difícil a alguém que passou a campanha falando contra a “velha política” abandonar o termo, como ele prometeu ontem aos líderes partidários. A expressão “velha política” se tornou depreciativa para todos os eleitos para o Legislativo, pela associação entre qualquer tipo de articulação e corrupção.

Nem toda negociação, porém, é ilegal. Todo governo – não apenas no Brasil – tem a seu alcance mecanismos legítimos de convencimento dos parlamentares, previstos na legislação e usados de acordo com a conveniência. É essa a essência do presidencialismo de coalizão praticado aqui desde a redemocratização.

O desvirtuamento dessas práticas, que descambaram em corrupção (sobretudo nos governos petistas) e espoliação do Estado para benefício de grupos privados, não implica necessariamente que toda negociação política seja espúria.

A principal arma ao alcance do governo é a divisão de espaços de poder com os partidos que o apoiam (isso inclui, mas não se limita a cargos). É usada para a implementação de elementos da agenda que levou a coalizão ao poder. Bolsonaro já fez isso ao entregar ministérios a militares, à ala ideológica ou ao agronegócio.

Não havia motivo para evitar indicar representantes partidários identificados com seu programa, de modo a obter o apoio no Parlamento como contrapartida. Isso nada tem de corrupto, mesmo que os incautos possam identificar a prática com o conhecido “toma lá, dá cá”. Mas ele perdeu essa oportunidade no momento adequado, a montagem do governo. Agora dispõe apenas de posições de segundo escalão ou de espaços menores.

Há, enfim, uma terceira dificuldade. Bolsonaro não dispõe de articuladores políticos experientes, com poder de persuasão comprovado. Seu partido é formado por neófitos. De todas as legendas que se reuniram com ele, a única que tem chance de integrar a base governista é o DEM. Por quê? O DEM já ocupa espaço. Comanda três ministérios e tem papel relevante na articulação da reforma da Previdência, por meio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Isso não impediu que Bolsonaro entrasse em conflito com Maia, peça-chave para a aprovação da reforma, por meio de declarações desastradas e tuítes descabidos de seus filhos e aliados. Inexperiência e falta de articuladores tarimbados dão nisso. Que tipo de confiança inspirará qualquer compromisso de Bolsonaro, se puder ser demolido de repente por um tuíte extemporâneo ou um ukase da Virgínia?

Eis o dilema daqueles que se proclamam arautos da tal “nova política”. Não existe política sem compromisso. Não existe compromisso sem confiança. Não existe confiança sem um histórico de promessas empenhadas e cumpridas. Mesmo os devotos de ditaduras têm de se dobrar à realidade de que o Brasil é uma democracia representativa, não um governo da turba por meio das redes sociais.

Bolsonaro descobriu enfim como o jogo funciona. Mas entra nele com um cacife depauperado e sem traquejo para apostar. Cem dias atrás, ainda tinha a prerrogativa de distribuir as cartas. Na atual circunstância, poderá se tornar apenas o pato da mesa.

Fonte:https://g1.globo.com/mundo/blog/helio-gurovitz/post/2019/04/05/bolsonaro-descobre-a-politica.ghtml

Desenvolvimento de software sob medida

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here