Em segundo dia pós-liminar, bares e restaurantes de BH ficam fechados

Pizzaria no Bairro Santa Cruz foi um dos únicos estabelecimentos abertos registrados pela reportagem (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Reportagem do Estado de Minas percorreu por várias regiões da capital e encontrou um número muito menor de estabelecimentos abertos em comparação com essa terça. Movimentação de clientes segue baixa nos locais

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) propôs a abertura gradual dos bares e restaurantes com fechamento de ruas para posicionar as mesas respeitando o distanciamento necessário para diminuir os riscos de contaminação da COVID-19. A informação é do presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de BH e Região Metropolitana (Sindihorb), Paulo Pedrosa, que se reuniu na tarde dessa terça com o prefeito Alexandre Kalil (PSD)
“Estamos bem otimistas para uma possível abertura na semana que vem, mas de forma gradual. Foi proposto, em um primeiro momento, liberar as calçadas. A prefeitura propôs fechar algumas ruas sexta, sábado e domingo. A Rua Curitiba, por exemplo, ser fechada no fim de semana. Outras ruas nos bairros de Lourdes e Sion para espalharmos mesas e cadeiras. Assim, vamos contratar mais garçons para atendimento”, disse o presidente do Sindihorb, Paulo Pedrosa.

Liminar

A liminar concedida pelo juiz Wauner Batista Ferreira Machado, da 3ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Municipal da Comarca de Belo Horizonte, na segunda, condiciona o funcionamento das lanchonetes e restaurantes a 12 “protocolos sanitários”. São eles:

  • Distanciamento mínimo de dois metros de uma pessoa da outra;
  • Espaço mínimo de 13 metros quadrados por pessoa, para se quantificar quantas poderão adentrar o recinto do estabelecimento;
  • Controle do fluxo de acesso aos seus estabelecimentos evitando aglomerações de espera do lado de fora, caso esgotado o seu espaço interno;
  • Privilégio a vendas por encomendas previamente acertadas, além dos atendimentos com hora marcada;
  • Disponibilização de máscaras de proteção a todos que estiverem dentro de seu estabelecimento (funcionários e clientes), à exceção dos clientes que já as possuírem;
  • Disponibilização de mesas, para o uso individual, com a distância mínima de dois metros, umas das outras, em todos os sentidos;
  • Quanto à norma acima, excetua-se o uso individual da mesa quando a pessoa necessitar da ajuda de outra para se alimentar, como as crianças de tenra idade, as pessoas muito idosas, ou deficientes;
  • Proibição de confraternização de pessoas dentro do estabelecimento, permitindo-se as pessoas ali permaneceram apenas pelo necessário para fazerem as suas refeições;
  • Crianças que não tenham o discernimento para permanecerem sentadas enquanto se alimentam, deverão estar no colo de seus pais e, se isso não for possível, não poderão permanecer dentro do estabelecimento;
  • Os clientes não poderão servir-se pessoalmente dos alimentos destinados a todos, mas apenas daqueles que lhes forem individualmente preparados;
  • Fica proibido o fornecimento de alimentação por meio do sistema “sef-service”, permitindo-se que um funcionário exclusivo sirva o prato dos clientes, a uma distância mínima de dois metros das comidas;
  • Os clientes deverão permanecer utilizando as máscaras até o início das refeições, recolocando-as logo após terminarem;
  • Fornecimento de sabão, sabonete e álcool em gel na graduação de setenta por cento, para a assepsia das mãos, tanto para funcionários quanto para os clientes. 

No caso dos bares, o juiz decidiu que esses estabelecimentos devem respeitar os cinco primeiros tópicos acima. Além disso, só poderão vender bebidas para consumo externo. 
Assim, o consumo de bebidas nas dependências ou imediações dos bares ainda está proibida.

Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2020/07/22/interna_gerais,1169148/em-segundo-dia-pos-liminar-bares-e-restaurantes-de-bh-ficam-fechados.shtml

Desenvolvimento de software sob medida

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here