Itamaraty anuncia demissão de diplomata após textos sobre Venezuela

O Ministério das Relações Exteriores informou nesta segunda-feira (4) que o diplomata Paulo Roberto de Almeida, diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, deixou o comando do órgão, vinculado ao Itamaraty.

Diplomata de carreira desde 1977, Paulo Roberto de Almeida publicou e reproduziu entre este domingo (3) e esta segunda textos sobre a crise na Venezuela. Ele não fez comentários sobre o posicionamento do Brasil, mas disse ter denunciado “o desastre que se preparava” no país e revelado “o caráter profundamente corrupto” do regime de Hugo Chávez, antecessor de Nicolás Maduro.

O Brasil não reconhece a legitimidade de Maduro e considera o líder oposicionista Juan Guaidó como presidente interino. Na semana passada, Guaidó esteve em Brasília e se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro. Em meio à crise entre os dois países, a Venezuela fechou a fronteira com o Brasil.

“A troca da Presidência do IPRI, no contexto da troca da grande maioria das chefias do MRE, já estava decidida e foi comunicada ao atual titular”, diz a nota do Itamaraty.

Procurado, Paulo Roberto de Almeida disse à TV Globo que a mudança no comando do órgão já estava prevista, mas o “gatilho” para a saída foi a publicação de textos que, segundo ele, “causaram incômodo” ao ministro Ernesto Araújo.

Apesar da demissão do comando do instituto, Almeida permanecerá como diplomata no Itamaraty por ser diplomata de carreira.

“A nota é verdadeira quando diz que já estava previsto mudanças. Agora, o gatilho para a mudança foi devido a postagem de artigos no meu blog pessoal que causaram incômodo ao chanceler porque tanto o artigo do Fernando Henrique quanto a palestra do [Rubens] Ricupero são iminentemente críticas à política externa do chanceler atual”, declarou.

Mais tarde, escreveu no Twitter: “Não fiz críticas ao chanceler, pelo menos ainda não; repercuti três artigos: um de FHC, outro de Ricupero e um terceiro do próprio Araújo, que criticava acerbamente os dois primeiros […] Critiquei apenas o Olavo, o sofista da Virgínia”, afirmou, em referência Olavo de Carvalho.

Em um dos textos reproduzidos por Paulo Roberto de Almeida, da revista “Época”, é dito que “o discurso ultraconservador do novo chanceler, que colocou o Brasil no mesmo eixo político de democracias iliberais como a Hungria e a Polônia, com as quais temos pouquíssimos pontos em comum, já está custando danos à reputação e à imagem do Brasil no exterior e poderá ter consequências políticas negativas.”

Em outro texto, assinado por outras duas pessoas, é dito que “serve como alerta para Ernesto Araújo: administrar as relações do Brasil num mundo globalizado (ou mesmo ‘globalista’, no seu linguajar tosco), é bem mais complexo do que encher um blog com textos oportunistas. Bem-vindo ao mundo real, chanceler.”

Nota

Na noite desta segunda-feira, o diplomata postou uma nota no blog dele na qual comentou a saída do instituto vinculado ao Itamaraty.

Segundo ele, os textos publicados na internet foram o motivo de ele ter sido exonerado.

“Esse mesmo blog, que me serviu como quilombo de resistência intelectual durante os anos do lulopetismo diplomático, abriu a justificativa, agora, para minha exoneração, pelo fato de ter postado artigos críticos à política externa atual – do ex-ministro Rubens Ricupero, e ex-chanceler e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – juntamente com um artigo do próprio chanceler atual, e convidando a um debate sobre a diplomacia corrente. Adicionalmente, meu blog trouxe críticas a uma personalidade bizarra do momento político brasileiro, totalmente inepta em matéria de relações internacionais, mas ao que parece grande eleitor nas circunstâncias atuais”, escreveu.

Desenvolvimento de software sob medida

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here