Prisão de vereador do PSL de BH por ‘rachadinha’ é prorrogada

O vereador Cláudio Donizete Duarte (PSL), investigado por praticar o esquema conhecido como “rachadinha” na Câmara Municipal de Belo Horizonte teve a prisão prorrogada e ficará detido pelo menos até a próxima quinta-feira (11).

De acordo com o delegado responsável pelo inquérito, Domiciano Monteiro, chefe da Divisão de Fraudes e Crimes contra o Patrimônio da Polícia Civil, testemunhas confirmaram ao longo dos depoimentos tomados nesta semana que o parlamentar pegava de volta dinheiro do pagamento aos funcionários.

Cláudio Donizete foi preso na terça-feira em casa e levado de viatura para a Divisão de Fraudes da PC. Como o pedido foi temporário, com duração máxima de cinco dias, ele deixaria a Penitenciária Nelson Hungria em Contagem, para onde foi encaminhado, neste sábado.

De acordo com o delegado, que não quis dar detalhes, a prorrogação foi pedida por entender que seria “imprescindível para a continuidade das investigações”. Ele foi detido sob alegação de que estaria ameaçando funcionários para que eles não revelassem a rachadinha.

Desvio de R$ 1 milhão


O termo rachadinha se refere à prática de parlamentares contratarem comissionados e exigirem que eles devolvam parte do valor pago como salário ao patrão. O mesmo crime é apurado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, onde o atual senador Flávio Bolsonaro, também do PLS e filho do presidente Jair Bolsonaro, é investigado.

Segundo as investigações, é o que o vereador Cláudio Duarte fazia desde janeiro de 2017, quando assumiu o primeiro mandato na Câmara Municipal, tendo embolsado com isso R$ 1 milhão. 

Eleito pelo PMN, ele migrou para o partido do presidente Jair Bolsonaro, no qual permanece filiado. De acordo com o delegado, já foram ouvidas mais de 10 pessoas e, entre elas, houve confirmação do esquema da rachadinha. Na próxima semana, mais testemunhas serão ouvidas. 

A polícia também pediu – e a Justiça concedeu – a indisponibilidade de bens do vereador, que ficará afastado por 60 dias do mandato. O vereador foi afastado do mandato na Câmara Municipal mas continua recebendo o salário de R$ 17.642,33. Como o afastamento não ultrapassa dois meses, por enquanto, o suplente do cargo não será convocado. 

Devolução em espécie


De acordo com as investigações, um dos funcionários de Cláudio Duarte que tinha salário de R$ 11 mil no papel devolvia R$ 10 mil, ficando apenas com R$ 1 mil. 

Os contratados tinham de sacar o dinheiro assim que recebiam e repassar, em espécie, ao chefe de gabinete Luiz Carlos Cordeiro, a quem caberia a o recolhimento. Ele também foi preso na última terça-feira e teve o pedido de prisão temporária prorrogado.  

A Polícia Civil também recolheu documentos e computadores no gabinete, na casa e no escritório parlamentar do vereador e da associação que ele mantém no bairro Céu Azul, em Venda Nova. Também houve buscas na casa do chefe de gabinete dele.

Os documentos estão sendo analisados pelas autoridades policiais.

Fonte:https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2019/04/06/interna_politica,1044382/prisao-de-vereador-do-psl-de-bh-por-rachadinha-e-prorrogada.shtml

Desenvolvimento de software sob medida

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here